domingo, 9 de janeiro de 2011

com detalhes é difícil saber
como esse samba acelerou
como teu sorriso se perdeu
no meio da multidão um alô
aceno  e chamada recusada
tem gente que saiu para rua
e não mais voltou para casa
morreu por aí e viajou além
e pode esperar quanto pode
pois a espera é a  promessa
dependurada no caule verde
que sobe na brecha de terra
no telhado do seu cemitério
tenho pena daquele homem
briga em vão com o seu cão
pura, simples, triste  solidão

2 comentários:

Joiza disse...

Tão... retangular!

floema disse...

o samba continua na cadência, mas o passista acelera e não percebe que vai pra fora do tempo, pra fora de casa, brotando em outro espaço, renascendo em alguma espécie de interior