quinta-feira, 29 de março de 2012

Autopoiesis

esta noite andei por essa cidade
vendo cenas que já havia visto

em sonho
a cobrança por um caso
quem está só sabe muito bem do que falo
deve até sonhar os mesmos sonhos que eu
com aqueles que já se foram entre nós

aqueles que um dia fazia sentido
tanto tempo foi dedicado
numa vigília sem precisão
um vigia sem um tostão

quantas gramas de noz moscada
raspadas sobre a ferida
secreção

é preciso fugir do sonho
enquanto há tempo para correr
antes que respingue tudo pelo corte
corra antes que o sonho chegue reivindicando
outros sonhos autogerativos, tenha medo deles, logo

não espere pra respirar
corra respirando


Um comentário:

floema disse...

gostei da dica da última estrofe e imaginei um corte por onde se sai do sonho ou talvez se é sugado para fora, quando se desperta